Veja uma comparação de imagens do Hubble e Webb

Pode não parecer óbvio por que os astrônomos precisam de tantos telescópios espaciais poderosos. É certo que um telescópio mais potente é melhor do que um menos potente? Então, por que existem vários telescópios diferentes em órbita, seja ao redor da Terra ou ao redor do Sol?

A resposta tem a ver com dois fatores principais. Um é o campo de visão do telescópio, o que significa quanto do céu ele está olhando. Alguns telescópios são úteis para observar grandes áreas do céu com menos detalhes, servindo como telescópios de pesquisa para identificar objetos para investigação posterior ou para observar o universo em grande escala – como a missão Euclides lançada recentemente. Outros, como o Telescópio Espacial Hubble, observam pequenas regiões do céu com grande detalhe, o que é útil para estudar objetos específicos.

Outro fator importante para os telescópios espaciais é o comprimento de onda em que operam. Tanto o Hubble quanto o Telescópio Espacial James Webb são usados ​​para estudar objetos como galáxias, mas o fazem em diferentes comprimentos de onda. O Hubble opera principalmente no comprimento de onda visível da luz, como os olhos humanos, enquanto o Webb opera no infravermelho. Isso significa que eles podem ver lados diferentes das mesmas coisas.

Para ilustrar como isso funciona na prática, uma nova comparação mostra o mesmo alvo, a galáxia NCG 3256, visto tanto pelo Webb quanto pelo Hubble.

A estranha galáxia NGC 3256 domina esta imagem do Telescópio Espacial James Webb da NASA/ESA/CSA. Localizada a cerca de 120 milhões de anos-luz de distância na constelação de Phella, esta galáxia do tamanho da Via Láctea é residente do superaglomerado Hydra-Centaurus. ESA/Webb, NASA & CSA, L. Armus, A. Evans

Esta imagem da web mostra os tentáculos de poeira e gás que compõem os braços desta galáxia. Quando novas estrelas jovens nascem de poeira e gás, elas liberam radiação que atinge os grãos de poeira ao seu redor, fazendo com que a poeira brilhe no infravermelho. As estrelas jovens também brilham intensamente no comprimento de onda do infravermelho, com as regiões mais brilhantes indicando focos de formação estelar.

READ  5 asteróides passam perto da Terra esta semana, um dos quais é do tamanho de uma casa
A estranha galáxia NGC 3256 ocupa o centro do palco nesta imagem do Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA. Esta galáxia distorcida é o resultado de uma colisão frontal entre duas galáxias espirais que provavelmente ocorreu há 500 milhões de anos, e está repleta de aglomerados de estrelas jovens formadas como resultado da colisão de gás e poeira das duas galáxias. Agência Espacial Europeia/Hubble, NASA

A imagem do Hubble mostra a mesma galáxia, mas vista em um comprimento de onda diferente, originalmente tirada em 2018. Enquanto a visão infravermelha de Webb permite olhar através de nuvens de poeira, na faixa de luz visível que o Hubble trabalha na poeira cria filamentos escuros que bloqueiam a luz. A galáxia é muito mais brilhante no infravermelho do que no comprimento de onda visível, mas nessa faixa você pode ver com mais clareza que a galáxia realmente tem dois centros, ou núcleos, o resultado da fusão de duas galáxias.

Recomendações dos editores






Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top