Ucrânia confia na mediação israelense e nega ter aconselhado Bennett a se render à Rússia

O primeiro-ministro israelense Naftali Bennett participa de uma sessão de gabinete no Gabinete do Primeiro Ministro em Jerusalém, em 6 de março de 2022. REUTERS/Ronen Zevulun

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Lviv, Ucrânia/Jerusalém (Reuters) – A Ucrânia esperava neste sábado resultados positivos da tentativa de Israel de mediar a paz com a Rússia, negando uma reportagem da mídia de que o primeiro-ministro israelense Naftali Bennett tentou fazer com que Kiev se curvasse às exigências de Moscou. .

Bennett, a pedido da Ucrânia, realizou uma reunião de três horas no Kremlin com o presidente russo, Vladimir Putin, no último sábado. Autoridades dizem que ele falou duas vezes por telefone com Putin e quatro vezes com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky.

“Acho que (Bennett) pode desempenhar um papel importante, porque Israel é um país que tem muita história e paralelos (com a nossa situação), bem como uma grande imigração de judeus da Ucrânia, Rússia e Bielorrússia”, disse Zelensky. em resumo.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Mais cedo no sábado, um conselheiro ucraniano negou uma reportagem do jornal israelense Walla, do Jerusalem Post e do site de notícias norte-americano Axios, que indicava, citando uma autoridade ucraniana não identificada, que Bennett havia instado a Ucrânia a se render à Rússia.

“Israel, como outros países intermediários condicionais, não oferece à Ucrânia que concorde com nenhuma demanda da Federação Russa”, escreveu o chanceler Mikhailo Podolak no Twitter. “Isso é impossível por razões militares e políticas. Pelo contrário, Israel insta a Rússia a avaliar os eventos de forma mais adequada.”

Um alto funcionário israelense, que pediu para não ser identificado devido à sensibilidade do assunto, chamou o relatório de “claramente falso”.

READ  Preços do petróleo voltam a subir após UE considerar embargo de petróleo russo

“Em nenhum momento o primeiro-ministro Bennett aconselhou o presidente Zelensky a aceitar um acordo com Putin – porque nenhum acordo foi oferecido a Israel para que pudéssemos fazê-lo”, disse a autoridade.

Conversas em Jerusalém?

Moscou falou pouco sobre os esforços de mediação de Bennett. Ele emitiu condições, incluindo o reconhecimento da Crimeia pela Ucrânia como regiões separatistas apoiadas pela Rússia e sua independência. Kiev diz que não abrirá mão de nenhum território.

Um funcionário familiarizado com a mediação, que falou à Reuters sob condição de anonimato, previu uma situação potencial em que “as nações em guerra (a questão do reconhecimento) a deixariam de lado, talvez por 10 ou 15 anos”.

Como um possível precedente, o funcionário citou o acordo de paz soviético-japonês de 1956 que deixou o status das ilhas em disputa sem solução. Não ficou imediatamente claro se os comentários refletiam um pensamento mais amplo em Kiev ou em Moscou.

Zelensky disse que estaria aberto a negociações de paz em Jerusalém e previu que Israel forneceria garantias de segurança à Ucrânia.

“Eu disse (Bennett) que não é construtivo no momento ter reuniões na Rússia, Ucrânia ou Bielorrússia. Estes não são lugares onde nós (os líderes dos países envolvidos) podemos concordar em parar a guerra… Eles consideraram Israel e Jerusalém em particular um lugar assim? Eu acho? A resposta é sim.”

A diplomacia de crise, em coordenação com os Estados Unidos, Alemanha e França, foi um ato de alto perfil para Bennett.

Ele deixou para seu ministro das Relações Exteriores condenar a invasão russa em nome de Israel. Outro funcionário disse que isso visava manter a porta de Putin aberta ao primeiro-ministro israelense.

READ  Um navio-tanque no Golfo de Omã foi transportado por homens em uniforme militar em uma aparente apreensão nas águas do Oriente Médio

O funcionário disse: “O poder na Rússia está completamente agrupado em torno deste homem. É muito pessoal. Israel administrou as relações com a Rússia através de contatos entre os dois líderes, e isso requer evitar clipes de áudio que possam provocar má vontade”.

Citando o tempo que Putin e Zelensky investiram em falar com Bennett, uma autoridade sênior do Ministério das Relações Exteriores de Israel, Simona Halperin, disse em uma entrevista de rádio na quinta-feira que o esforço de mediação “definitivamente, certamente tem uma chance de sucesso”.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem de Natalia Zenets, Mathias Williams, Max Hunder e Dan Williams) Edição de Mark Potter

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top