Mia Brahe Pedersen corre com Sharks, a ex-atleta olímpica Gina Brandini e a líder mundial Shaikari Richardson no USATF Outdoor Championships

Mia Brahe-Pedersen, da Lake Oswego High School, alinhou-se contra uma companhia forte na primeira bateria de qualificação para os 100m femininos na quinta-feira no campeonato de atletismo ao ar livre dos EUA em Hayward Field.

A medalhista olímpica Gina Brandini estava à sua direita. Ao lado de Brandini estava Sha’Carri Richardson, que tem um tempo de vento de 10,57 segundos este ano.

“Eu definitivamente senti como se estivesse correndo com os Sharks”, disse Brahe-Pedersen, que acabou de concluir sua temporada júnior em Lake Oswego.

Eles eram tudo menos demais.

Brahe-Pedersen usou uma finalização forte para terminar em terceiro com o tempo de 11,05 em sua bateria para avançar automaticamente para as semifinais de sexta-feira.

Richardson venceu sua bateria em 10,71. Brittany Brown terminou em segundo lugar, com o tempo de 10,96 pontos. Brahe Pedersen venceu os profissionais da Nike Kayla White e Brandini em quarto e quinto lugares, respectivamente.

White e Brandini também avançaram para as semifinais como eliminatórias de tempo. Ela foi a mais rápida das quatro preliminares.

Ele foi configurado dessa forma desde que as alocações da linha do tempo foram anunciadas. Brahe-Pedersen recebeu a notícia em um barco no dia 4 de julho, aguardando fogos de artifício.

“Pensei: ‘Vou vomitar'”, disse ela, rindo.

Obviamente, a Nike pensou que Brahe Pedersen poderia se defender. A gigante de roupas esportivas Beaverton assinou com ela um contrato de nome, imagem e gostos, embora ela ainda tenha um ano de ensino médio.

No entanto, a opção segura era participar do USATF U20 Championships, que também acontecerá esta semana em Hayward.

Brahe Pedersen teria entrado neste encontro como o favorito nos 100. Seu tempo de 200 de 22,43 é o número 2 de todos os tempos na lista de escolas secundárias dos EUA, atrás do eterno atleta olímpico Allyson Felix. No verão passado, Brahe-Pedersen competiu no Campeonato Sub-20, terminando em segundo em ambos os eventos de sprint.

READ  Os Maple Leafs ajudam (um pouco) na segunda-feira

Mas Brahe-Pedersen não estava procurando uma saída fácil. Ela queria um desafio. Você enfrentará as grandes armas em 200 mais tarde neste encontro também.

“Acho que foi uma boa decisão”, disse ela.

Lutei contra os nervos na noite de quarta-feira ao encontrar uma pista deserta para um treino leve enquanto o sol se punha.

“Foi muito bonito”, disse Brahe Pedersen. “Então, antes da minha corrida eu me visualizava lá e estava tranquilo.”

Após a cartilha de quinta-feira, Richarson ofereceu a Brahe Pedersen algumas palavras encorajadoras, elogiando seu talento e dizendo-lhe para não se preocupar com o mundo exterior.

“Ela foi muito legal”, disse Brahe Pedersen.

Agora, estamos nas semifinais.

“Farei apenas o que quero”, disse Brahe-Pedersen. “Eu não mudaria nada. Bem, talvez eu fosse mais agressivo. Mas eu não mudaria minha maneira de pensar em nada.

“Obviamente, funcionou para mim.”

–Ken Guo para The Oregonian/Oregon Life, reportagem de Eugene

KenGoe1020@gmail.com | Twitter: @KenGoe

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top