Hajj 2024: Mais de 1,5 milhão de muçulmanos estrangeiros chegam a Meca

MECA, Arábia Saudita (AP) – Peregrinos muçulmanos estão migrando para a cidade sagrada de Meca, na Arábia Saudita, antes do início da temporada do Hajj no final desta semana, com o Hajj anual retornando ao seu enorme tamanho.

Autoridades sauditas dizem que mais de 1,5 milhão de peregrinos estrangeiros chegaram ao país até terça-feira, a grande maioria por via aérea, vindos de todo o mundo. Espera-se que mais pessoas se juntem a eles, e centenas de milhares de sauditas e outras pessoas que vivem na Arábia Saudita se juntarão a eles quando o Hajj começar oficialmente, na sexta-feira.

Peregrinos muçulmanos rezam na Grande Mesquita, durante o Hajj anual em Meca, Arábia Saudita, terça-feira, 11 de junho de 2024. (AP Photo/Rafiq Maqbool)

As autoridades sauditas disseram esperar que o número de peregrinos este ano exceda 2023, com mais de 1,8 milhões de pessoas realizando o Hajj, que está próximo dos níveis pré-pandemia. Em 2019, mais de 2,4 milhões de muçulmanos realizaram o Hajj. As autoridades sauditas controlam o fluxo de peregrinos através de quotas, permitindo a cada país um peregrino para cada mil cidadãos muçulmanos.

Entre os peregrinos estavam 4.200 palestinos da Cisjordânia ocupada que chegaram a Meca no início deste mês, de acordo com o Ministério Palestino de Doações e Assuntos Religiosos. Os palestinos na Faixa de Gaza não puderam viajar para a Arábia Saudita para realizar o Hajj este ano, devido à guerra de oito meses entre Israel e o Hamas.

Ibrahim Al-Hadary, um peregrino argelino, disse: “Rezamos para que a Palestina seja libertada e para que (os palestinianos) libertem as suas terras e sejam como outras nações, e vivam em paz e nem sempre em estado de guerra. ” Parado no pátio da Grande Mesquita aguardando a oração da noite.

READ  A União Europeia enfrenta um problema de pés de galinha com a China

Na terça-feira, os peregrinos reuniram-se na Grande Mesquita de Meca, realizando um ritual que andava sete vezes à volta da Caaba, a estrutura cúbica no interior da mesquita considerada o local mais sagrado do Islão. Eles usavam o ihram, que consistia em dois pedaços de pano branco sem costura que lembravam uma mortalha.

Muitos deles foram vistos suando profusamente por causa do sol quente, e outros carregavam guarda-chuvas contra o sol enquanto as temperaturas atingiam 42 graus Celsius (107 Fahrenheit) e 45 graus Celsius (113 Fahrenheit) durante o dia de terça e quarta-feira, respectivamente.

“Senti-me aliviada quando cheguei à Grande Mesquita e vi a Caaba”, disse Rabiaa Al-Rajhi, uma mulher marroquina que veio a Meca para o Hajj com o marido e a filha. “Estou muito feliz.”

Muhammad Abdel Basit, um peregrino iraquiano, disse que se sentiu extremamente feliz em realizar os rituais do Hajj.

O advogado Abdul Basit, de Bagdá, disse: “Parabenizamos a grande multidão e agradecemos a Deus por nos reunir de todas as regiões do mundo e não apenas do mundo árabe, de todas as regiões muçulmanas globais (que) vieram à Grande Mesquita”. .

À noite, a vasta praça de mármore ao redor da Caaba ficava lotada de fiéis, caminhando lado a lado, muitas vezes esbarrando em barricadas montadas pelas forças de segurança para direcionar os fluxos maciços de pessoas dentro e ao redor da Grande Mesquita.

Os peregrinos realizam a circunvolução, conhecida como “tawaf” em árabe, ao chegarem a Meca. As grandes multidões que circundam a Kaaba continuarão até o primeiro dia do Hajj.

Na sexta-feira, os peregrinos irão para o Monte Arafat para uma parada de dia inteiro, depois para Muzdalifah, uma planície rochosa a poucos quilômetros de distância. Em Muzdalifah, os peregrinos recolhem seixos para usar no apedrejamento dos pilares que representam simbolicamente Satanás em Mina.

O Hajj é uma das maiores reuniões religiosas do mundo e é um dos cinco pilares do Islã. Todos os muçulmanos devem fazer isso pelo menos uma vez na vida se forem física e financeiramente capazes de fazê-lo.

Os peregrinos veem o Hajj como uma oportunidade para fortalecer sua fé, apagar pecados antigos e começar de novo.

___

A cobertura religiosa da Associated Press recebe apoio através da AP cooperação Com The Conversation US, financiado pela Lilly Endowment Inc., a AP é a única responsável por este conteúdo.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top