Explosões causadas por ataques militares e grande neblina em Mykolayiv

À medida que a invasão russa continua, muitas empresas anunciam que deixarão de fazer negócios com a Rússia.

Na segunda-feira, o grupo de moda italiano Prada e a montadora japonesa Nissan se tornaram as últimas empresas a sair.

A Prada suspendeu as operações na Rússia, citando a invasão russa da Ucrânia. O Grupo Prada também é dono da Miu Miu, uma feira de automóveis, igrejas e marchas.

A porta-voz da Prada, Marta Monaco, disse à CNN: “O Grupo Prada suspendeu suas operações de varejo na Rússia. Nossa principal preocupação é com todos os colegas e suas famílias afetados pela tragédia na Ucrânia, e continuaremos a apoiá-los”. O relatório segue a promessa da Prada e outras casas de moda italianas de prestar assistência à Ucrânia. Apoiado por empresas como Armani, Potoka Venetta e Dolce & Gabbana.

Em resposta à doação, a representante do ACNUR na Itália, Sierra Cardoleti, disse: “Estimamos que 12 milhões de pessoas na Ucrânia precisarão de assistência e proteção, enquanto mais de 4 milhões de refugiados ucranianos precisarão de proteção e cuidados nos países vizinhos”. Citando a necessidade de assistência imediata, Caedoletti disse em um comunicado à imprensa: “Como são necessários grandes recursos, esperamos que a indústria da moda e outras empresas do setor façam sua contribuição nas próximas horas”.

A Nissan anunciou hoje que vai suspender a exportação de veículos para a Rússia. Em um comunicado de imprensa divulgado pela empresa, a fabricante japonesa acrescentou que “espera que a produção em nossa fábrica em São Petersburgo cesse em breve”.

O relatório ressaltou o compromisso e o apoio da Nissan para ajudar a crise humanitária na Ucrânia, levantando 2,5 milhões de euros (aproximadamente US$ 2,7 milhões). “Uma doação de 1 1 milhão será feita à Cruz Vermelha e outras organizações sem fins lucrativos em apoio aos atuais esforços de emergência para fornecer ajuda vital e itens essenciais para famílias e crianças. Sempre que possível, a empresa está pronta para doar veículos .”

READ  USMNT vs México: XI inicial e notas de escalação | Finais da Liga das Nações da Concacaf

O CEO da empresa, Makoto Uchida, disse: “Estamos todos comovidos com o sofrimento de muitas pessoas e famílias, incluindo nossos próprios membros da família Nissan. Criamos o Nissan Cares Fund em apoio à nossa equipe e aos esforços internacionais para trabalhar 24 horas por dia para responder a essa imensurável tragédia humana.

Outras empresas de automóveis que pararam de negociar com a Rússia incluem: General Motors, Toyota e Volkswagen.

No domingo, a American Express se tornou a mais recente empresa de cartão de crédito a anunciar o fim de suas operações na Rússia à medida que a invasão da Ucrânia se intensifica.

A empresa disse em comunicado que os cartões American Express emitidos globalmente não funcionarão mais na Rússia e que os cartões emitidos na Rússia não funcionarão mais fora do país.

A American Express também disse que fecharia suas operações comerciais na Bielorrússia.

Isso se soma às medidas anteriores que tomamos, incluindo a suspensão de nossas relações com bancos na Rússia, que foram atingidos por sanções governamentais dos EUA e internacionais, disse a American Express em comunicado no domingo.

Um dia antes, a MasterCard havia anunciado que suspenderia seus serviços de rede na Rússia e que a Visa suspenderia todas as operações lá.

As empresas de mídia social também restringem o acesso na Rússia. Em um movimento recente, a Dictok disse no domingo que estava suspendendo certos aspectos da Rússia à luz da nova lei do país que pune a desinformação.

“À luz da nova lei de ‘fake news’ da Rússia, quando revisarmos as implicações de segurança dessa lei, não temos escolha a não ser interromper a transmissão ao vivo e novos conteúdos em nosso serviço de vídeo”, twittou a empresa. “O serviço de mensagens em nosso processador não será afetado.”

A empresa acrescentou em uma postagem no blog: “Continuamos avaliando a situação na Rússia e determinando quando podemos lançar totalmente nossos serviços com segurança como nossa principal prioridade”.

READ  Atualizações ao vivo do governo: notícias, vacinas e casos obrigatórios de máscara

O Facebook, empresa controladora da Meta, disse que bloqueará o acesso às agências de notícias russas RT e Sputnik em toda a União Europeia.

“A medida ocorre após pedidos de vários governos e da União Europeia para tomar mais medidas contra a mídia estatal russa”, escreveu Nick Clegg, vice-presidente de assuntos globais da empresa, em um tweet.

Meta também disse que o governo russo usou controles de algoritmo na mídia para impedir que ela fosse exibida com destaque nos feeds dos usuários.

O Twitter também anunciou planos para “reduzir a seleção e multiplicação” do conteúdo da mídia estatal russa.

Muitas outras empresas estão deixando a Rússia. Consulte Mais informação Aqui.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top