Deslizamentos de lama no Brasil matam pelo menos 94 pessoas

RIO DE JANEIRO (Reuters) – Bombeiros e moradores desesperados procuraram por vítimas nesta quarta-feira depois que fortes deslizamentos de terra e inundações atingiram uma região montanhosa ao norte do Rio de Janeiro, causando um mês de chuva durante a noite e matando pelo menos 94 pessoas.

O prefeito de Petrópolis, cidade histórica localizada nas montanhas a 110 quilômetros das praias do Rio de Janeiro, disse que o número de mortos pode aumentar. uma Desastre semelhante Mais de 900 pessoas morreram na região em 2011. Muitos especialistas dizem que esses eventos climáticos extremos estão se tornando mais comuns com o aquecimento global.

As fortes chuvas que começaram na noite de terça-feira provocaram deslizamentos de terra que destruíram dezenas de casas nas encostas acima de Petrópolis e provocaram inundações que causaram mais danos nas ruas abaixo. Fotos e vídeos nas redes sociais mostraram rios de lama fluindo pelas ruas da cidade, varrendo tudo ao longo da estrada: carros, árvores e, às vezes, pessoas.

O Instituto Nacional de Meteorologia do Brasil disse que as chuvas que causaram a devastação foram as mais fortes na cidade desde 1952.

“O que vimos foi um evento realmente muito desafiador”, disse Cassia de Castro Martins Ferreira, pesquisadora da Universidade Federal de Juiz de Fora que estuda eventos climáticos extremos na região. “Não choveu – foi uma quantidade extraordinária de água caindo.”

Para muitos moradores de Petrópolis, o desastre foi uma lembrança dolorosa de 2011, quando deslizamentos de terra semelhantes mataram mais de 900 pessoas na área – o pior desastre natural da história do Brasil.

Carlos Eduardo Ribeiro, 22, estava entre os buscadores de vizinhos desaparecidos na quarta-feira. Ribeiro, que mora do outro lado da rua de um bairro na encosta que foi engolido por deslizamentos de terra, disse que estava tirando crianças e idosos dos escombros.

READ  Acidente de avião na Malásia: pelo menos 10 são mortos quando um avião leve cai em uma rodovia ao norte de Kuala Lumpur

“Meu braço dói, tudo dói de tirar as pessoas da lama. Estamos cavando há horas, na esperança de encontrar mais pessoas”, disse ele. Meus amigos estão desaparecidos, suas casas se foram, tudo está enterrado na lama. Aqui virou cemitério.”

Petrópolis faz parte de uma área pitoresca com um grande parque nacional e montanhas arborizadas que se tornaram um refúgio para pessoas que fogem das temperaturas escaldantes do litoral. Fundada em meados do século XIX por Imperador brasileiro Pedro IIque ali realizou o julgamento durante os escaldantes meses de verão.

Sua geografia única também a torna vulnerável a fortes chuvas, disse Castro. As massas de ar quente da costa geralmente colidem com as temperaturas mais frias comuns em altitudes mais altas, o que pode causar tempestades.

“Temos um grande número de eventos climáticos extremos em Petrópolis, justamente relacionados à sua localização”, disse ela. Mas outro perigo, disse ela, “é a forma como a cidade cresceu”.

Com a expansão de Petrópolis, os moradores se mudaram para as colinas, derrubando florestas que antes serviam de amortecedor contra deslizamentos de terra e construindo casas em terrenos muitas vezes muito íngremes e inadequados para o desenvolvimento.

Após os deslizamentos de terra de 2011, as autoridades fizeram planos para evitar uma tragédia semelhante na área. Mas esses planos avançaram lentamente em meio a déficits de financiamento e mudanças no poder político.

A Sra. Castro disse que a principal prioridade no Brasil deve ser a criação de sistemas mais robustos para alertar os moradores antes de eventos climáticos severos. Em Petrópolis, apenas alguns bairros estão equipados com sirenes que alertam sobre os riscos climáticos, enquanto os governos estaduais e municipais ainda não instalaram esses sistemas em outros locais vulneráveis.

READ  Resultados das eleições senegalesas: Oposição Basserou Diomaye Faye lidera na corrida pela presidência - relatórios

O governador do estado do Rio de Janeiro, Claudio Castro, disse em entrevista coletiva na tarde de quarta-feira que são necessárias medidas preventivas para evitar a recorrência dessas tragédias.

“Estamos fazendo essa proibição”, disse ele. “Leva tempo e não pode ser feito de uma só vez.”

Não é incomum que chuvas fortes caiam durante os meses de verão no Brasil. Mas a maioria dos especialistas concorda que os eventos climáticos extremos estão se tornando mais comuns. Em dezembro, as inundações Pelo menos 20 pessoas foram mortas e cerca de 50.000 deslocadas. no nordeste do país. E no mês passado, dezenas foram mortos em São Paulo e Minas Gerais quando chuvas torrenciais varreram os dois estados.

Jack Nikas Contribuir para a elaboração de relatórios.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top