Cuidado com as exibições de auroras ao vivo: dizem os cientistas

“Choques planetários” que atingem diretamente o campo magnético da Terra são o que os cientistas precisam prever para proteger qualquer infraestrutura condutora de eletricidade, de acordo com um novo estudo. Publicados Hoje em Fronteiras na astronomia e na ciência espacial.

Exibições espetaculares de auroras verdes, vermelhas, roxas e azuis – como a tempestade geomagnética global de 10 de maio – podem significar correntes poderosas que chegam à Terra e podem danificar linhas de transmissão de energia, oleodutos e gasodutos, ferrovias e cabos submarinos.

Choques planetários

Um choque planetário – que pode levar a uma bela visualização das luzes do norte e do sul – é uma perturbação no vento solar. Eles são causados ​​​​por ejeções de massa coronal do Sol. A CME é uma nuvem de campos magnéticos e partículas carregadas do Sol fluindo para o espaço a velocidades de até 3.000 quilômetros por segundo.

Esta perturbação faz com que a bolha magnética protetora da Terra se comprima, muitas vezes levando ao aparecimento da aurora boreal. No entanto, o ângulo de impacto dos choques interplanetários é fundamental para a força das correntes, diz a investigação.

Isto é importante porque os impactos planetários são mais comuns durante a atividade solar máxima, que é o que os cientistas acreditam que está a acontecer agora.

As correntes causadas pelo campo magnético da Terra podem danificar infraestruturas que conduzem eletricidade. Quanto mais forte for o choque planetário, mais fortes serão as correntes e a aurora. Se os cientistas puderem prever que o próximo impacto planetário será direto, em vez de um ataque passageiro, isso ajudará a proteger a infraestrutura antes de um ataque, dizem os investigadores.

Picos mais altos

O estudo descobriu que os choques que atingem a Terra diretamente, e não em ângulo, induzem as correntes induzidas geomagneticamente mais fortes. Usando uma base de dados de impactos interplanetários e comparando-a com leituras de correntes induzidas geomagneticamente de um gasoduto de gás natural em Mantsala, Finlândia – na “zona aurora” – os cientistas descobriram que os impactos frontais causam picos mais elevados nas correntes induzidas geomagneticamente. Isso ocorre porque coloca mais pressão no campo magnético.

Os pesquisadores também descobriram que os picos mais intensos ocorreram por volta da “meia-noite magnética”, que é a hora da noite (por volta da meia-noite real, hora local) quando o Pólo Norte fica entre o Sol e Mantsala, no lado noturno da Terra.

Clima espacial

“A Aurora Boreal e as correntes induzidas geomagneticamente são causadas por fatores semelhantes ao clima espacial.” Ele disse “O clima espacial é o fluxo de partículas carregadas do Sol – o vento solar”, diz o Dr. Denny Oliveira, do Goddard Space Flight Center da NASA e principal autor do estudo “A aurora é um aviso visual de que correntes elétricas no espaço podem gerar. essas correntes induzidas.” Geomagneticamente na Terra.

A exibição da aurora em 10 de maio foi particularmente intensa. A aurora aparece como uma forma oval em torno das regiões polares, mas naquela data, a chegada de várias ejeções de massa coronal fez com que a forma oval se expandisse. “A zona da aurora pode se expandir dramaticamente durante tempestades geomagnéticas intensas”, disse Oliveira. “Normalmente, sua fronteira sul fica em torno de 70 graus de latitude, mas durante eventos extremos, pode cair para 40 graus ou até mais, o que certamente foi o que aconteceu em maio. Tempestade de 2024 – a tempestade mais intensa das últimas duas décadas.”

Desejo-lhe céu limpo e olhos arregalados.

Pegue meus livros Observando as estrelas em 2024, Programa de observação de estrelas para iniciantesE Quando ocorrerá o próximo eclipse?

READ  O telescópio Event Horizon captura uma nova imagem impressionante de um buraco negro na Via Láctea

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top