Biden encontra líder finlandês enquanto Rússia irrita vizinhos europeus

O presidente dos EUA, Joe Biden, discursa na Yellowjacket Federation durante sua visita à Upper University of Wisconsin, em Superior, Wisconsin, EUA, em 2 de março de 2022. REUTERS/Evelyn Hockstein

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

WASHINGTON (Reuters) – O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, se encontrou com seu colega finlandês Sauli Niinistö na Casa Branca nesta sexta-feira, quando a invasão russa da Ucrânia levantou novas preocupações para os outros vizinhos europeus de Vladimir Putin.

As conversas acontecem quando a invasão da Ucrânia pelo presidente russo, que durou mais de uma semana, preparou o terreno para discussões na Finlândia sobre uma aliança mais próxima com a Otan, com a qual já coopera, mas não é membro. Biden e Niinisto falaram duas vezes nos últimos meses.

Os finlandeses sempre foram cautelosos com a Rússia, dada a fronteira de 1.340 quilômetros da nação escandinava e um histórico de duas guerras entre 1939 e 1944 que custaram à Finlândia o território.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Mas a Finlândia, membro da União Européia que fez parte do reino sueco até 1809 e depois sob o controle da Rússia até conquistar a independência em 1917, também procurou manter relações amistosas com Moscou.

A Rússia não quer que a Finlândia se junte à Otan, mas Niinistö disse que o país se reserva o direito de solicitar a adesão. O governo ucraniano manteve seu direito de fazê-lo também antes da invasão russa.

Biden e Niinistö “discutirão a relação de defesa entre os Estados Unidos e a Finlândia, que é uma relação muito forte que realmente complementa a estreita parceria da Finlândia com a Otan”, disse a porta-voz da Casa Branca Jen Psaki a repórteres em uma prévia da visita.

READ  Putin ataca chefe da inteligência russa em vídeo divulgado

A opinião pública finlandesa está cada vez mais interessada na ideia de aderir à OTAN. Uma pesquisa realizada pela emissora pública Yle na última segunda-feira mostrou 53% dos finlandeses a favor da adesão, em comparação com 28% quando o jornal Helsingin Sanomat fez a pergunta no final de janeiro. Consulte Mais informação

O governo finlandês procurou abrandar as campanhas para se juntar ao bloco de defesa liderado pelos EUA. Em comunicado, Niinisto disse que as pessoas devem “manter a calma e avaliar o impacto das mudanças que já ocorreram e das que ainda podem ocorrer”.

A Finlândia juntou-se a outros países na quinta-feira ao boicotar as reuniões do Conselho do Ártico que a Rússia planeja sediar em maio. Consulte Mais informação

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem de Trevor Honeycutt) Edição por Leslie Adler

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *