Atualizações ao vivo Rússia-Ucrânia e últimas notícias

O Conselho de Segurança da Rússia pediu nesta segunda-feira que o presidente Vladimir Putin reconheça a independência de duas regiões separatistas apoiadas pela Rússia no leste da Ucrânia, o que poderia fornecer uma desculpa para ocupar a Ucrânia, especialmente após as alegações de Moscou de que as forças de Kiev estão invadindo a região.

Autoridades ucranianas negaram as alegações em um comunicado divulgado na sexta-feira afirmando que “alegações semelhantes e infundadas sobre a inteligência da Rússia foram feitas mais de uma vez. Autoridades ocidentais alertaram repetidamente que Moscou está criando uma razão para a invasão.

Putin tomará uma decisão na segunda-feira.

Todos os membros do Conselho de Segurança Hawkish de Putin apoiaram o reconhecimento das duas regiões, a República Popular de Donetsk e a República Popular de Luhansk, onde vivem cerca de 800.000 russos.

Putin convocou uma reunião do Conselho de Segurança Extraordinário na semana passada depois de acusá-lo de “genocídio” na Ucrânia sem preparar provas.

De acordo com analistas políticos russos, o Conselho de Segurança inclui os valentes chefes militares, de defesa e inteligência de Putin, bem como o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, o primeiro-ministro russo, Mikhail Mistin, e os principais e inferiores líderes da Rússia. Casas do parlamento.

A República Popular de Donetsk e a República Popular de Luhansk foram um grande ponto de inflamação no conflito entre a Ucrânia e a Rússia, e uma cena de combates entre forças ucranianas e separatistas que mataram 14.000 desde 2014.

A decisão de reconhecê-los transformaria o Acordo de Paz de Minsk de 2015 em um mediador entre a França e a Alemanha, destinado a trazer as duas regiões de volta ao controle de Kiev.

Argumentando que Kiev estava tentando “apagar” o conflito no leste da Ucrânia, funcionários do Conselho de Segurança, um por um, instaram Putin a reconhecer as regiões, argumentando que uma solução deveria ser bloqueada e a Rússia sair para compensar os custos regionais.

READ  Ataque com mísseis russos em vila ucraniana mata 51 durante serviço memorial para soldado morto

Putin disse que está claro que a Ucrânia não tem intenção de implementar o acordo de Minsk, que exigiria que Kiev aprovasse leis que concedam autonomia às regiões.

Autoridades de Kiev dizem que essas leis permitiriam a Moscou usar áreas separatistas na política externa da Ucrânia e vetar sua posição pró-ocidente.

O ministro das Relações Exteriores da Letônia, Edkars Rinkeviks, disse ao The Washington Post que o reconhecimento da Rússia dos territórios secessionistas pode levar a uma série de objetivos russos. “Eles parecem ter perdido a fé em Kiev e estão tomando o que podem.”

Ele disse que era um “conflito congelado e a Otan e a UE nunca aceitariam a Ucrânia”, acrescentando que se o status quo no Oriente estiver em questão, isso colocaria uma pressão política significativa sobre o presidente ucraniano, Vladimir Zhelensky. Sua expulsão e Kiev fraca e dividida, ele recomendou.

Ringeviks disse que seria possível bloquear as sanções ocidentais mais dramáticas contra a Rússia porque seria uma invasão em grande escala, embora tenha dito que apoia fortes sanções contra ele em resposta às ações do Kremlin.

É “um prato inteiro”, disse Rinkevics. “Um café da manhã completo com carne de porco.”

Putin disse que a Rússia fez todo o possível para resolver a situação pacificamente, mas que as autoridades ucranianas “realizaram operações militares nessas áreas” no passado e o fariam novamente.

Dmitry Medvedev, presidente do Conselho de Segurança Adjunto, disse que desde que Moscou começou a emitir passaportes russos para ucranianos nos últimos anos, deveria proteger os russos que vivem na região de Moscou.

Michael Burnham contribuiu para esta história de Washington.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top