Assad visita os Emirados Árabes Unidos, primeira viagem a um país árabe desde o início da guerra

  • Os Emirados Árabes Unidos já apoiaram os oponentes de Assad na guerra síria
  • EUA se dizem ‘profundamente decepcionados’ com ação dos Emirados Árabes Unidos
  • Assad visitou o Irã e a Rússia apenas durante a guerra
  • Emirados Árabes Unidos querem fortalecer cooperação com Síria

DUBAI/WASHINGTON (18 de março) (Reuters) – O presidente sírio, Bashar al-Assad, viajou para os Emirados Árabes Unidos nesta sexta-feira em sua primeira visita a um país árabe desde o início da guerra na Síria em 2011, ressaltando a melhora das relações com um aliado dos EUA. . Ele já apoiou os rebeldes que tentaram derrubá-lo.

A Emirates News Agency (WAM) afirmou que Assad se encontrou com o príncipe herdeiro de Abu Dhabi, Sheikh Mohammed bin Zayed Al Nahyan, que “enfatizou que a Síria é um pilar essencial da segurança árabe e que os Emirados Árabes Unidos desejam fortalecer a cooperação com ela”.

Um videoclipe publicado pela Emirates News Agency (WAM) mostrou Assad sorrindo ao lado do xeque Mohammed em frente às bandeiras da Síria e dos Emirados, além de gestos e sorrisos durante as conversas.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

A visita foi fortemente repreendida por Washington, com o Departamento de Estado dizendo que estava “extremamente e turbulentamente decepcionado” com o que descreveu como uma aparente tentativa de legitimar Assad.

As únicas viagens de Assad para fora da Síria durante a guerra foram Irã e Rússia, aliados próximos cujo apoio militar o ajudou a virar a maré do confronto contra oponentes apoiados pelo governo, incluindo países do Golfo aliados dos Estados Unidos.

A presidência síria disse em comunicado que também se encontrou na sexta-feira com o governante de Dubai, Sheikh Mohammed bin Rashid Al Maktoum.

READ  Os preços do gás nos EUA continuam subindo após a invasão da Ucrânia pela Rússia: até onde eles podem subir?

O momento do voo coincidiu com o décimo primeiro aniversário da revolta síria, que começou em março de 2011, e em um momento em que Washington está trabalhando globalmente para unir aliados e parceiros contra a invasão russa da Ucrânia.

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, enfatizou que Washington ainda se opõe aos esforços para normalizar as relações ou reabilitar Assad. Ele disse que os Estados Unidos não vão renunciar ou suspender as sanções contra a Síria a menos que haja progresso em direção a uma solução política para o conflito que já matou centenas de milhares desde o início do levante contra Assad.

“Pedimos aos países que consideram lidar com o regime de Assad que avaliem cuidadosamente as horríveis atrocidades que o regime cometeu contra os sírios na última década, bem como os esforços contínuos do regime para negar a grande parte do país acesso à ajuda humanitária e segurança”, acrescentou Price. . Ele disse em um e-mail.

Washington expressou sua preocupação em novembro, quando o ministro das Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos visitou Damasco e se encontrou com Assad.

Mas o governo Biden corroeu seu capital político com Riad e Abu Dhabi ao desconsiderar suas preocupações com o rival regional Irã, encerrando seu apoio à guerra no Iêmen e impondo condições às vendas de armas dos EUA aos países do Golfo. Consulte Mais informação

A Emirates News Agency (WAM) disse que os dois lados enfatizaram “a preservação da integridade territorial da Síria e a retirada de forças estrangeiras” do país fragmentado onde Rússia, Irã, Turquia e Estados Unidos têm presença militar.

Eles também discutiram o apoio político e humanitário à Síria e seu povo para alcançar uma solução pacífica para todos os desafios que enfrenta.

READ  O rublo cai acentuadamente com a mordida das sanções, enviando russos aos bancos

A agência de notícias dos Emirados Árabes Unidos (WAM) disse que o xeque Mohammed “expressou sua esperança de que esta visita abrisse o caminho para o retorno do bem, da paz e da estabilidade na Síria e em toda a região”. Ela acrescentou que Assad o informou sobre os últimos acontecimentos na Síria.

Sheikh Mohammed se despediu dele no aeroporto.

As reuniões foram as últimas de uma série de iniciativas diplomáticas que sinalizam uma mudança em andamento no Oriente Médio, à medida que vários países árabes estão reativando os laços com Assad.

Sinais de reaproximação entre Assad e países árabes cresceram no ano passado, incluindo um telefonema com o rei Abdullah da Jordânia, outro aliado dos EUA. Consulte Mais informação

Analistas dizem que as considerações políticas e econômicas são grandes para os países árabes que buscam laços mais estreitos com Assad, incluindo como combater a influência do Irã e da Turquia.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(cobrindo Moataz Mohamed). Escrito por Tom Perry e Humira Pamuk; Edição por Franklin Paul, Jonathan Otis e Daniel Wallis

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *